InícioWeb SériesWeb NovelasGruposBuscarMembrosFAQGaleriaRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Vidas Vazias || Capítulo 11

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Eduardo Lobo

avatar

Idade : 19
Cidade : Redenção

MensagemAssunto: Vidas Vazias || Capítulo 11   17.05.14 21:03



Vidas Vazias


Traição e uma coisa que trás raiva e desejo de vingança. Mas será que a vingança vai resolver a raiva, ou melhor, esquecer a traição e ajudar seguir em frente.

Lívia continua a apontar a arma para Alberto e Elena. Alberto encurralado, diz:

Alberto- Acalme-se, Lívia.

Lívia- Sente-se!

Lívia coloca a arma na mesa e começa a tomar café.

Aberto e Elena se sentam na mesa.

Lívia- Comam.

Elena- Diz logo o que você tem pra dizer.

Lívia- Minha mãe me contava uma história que à amiga dela viveu. Minha mãe já tinha uns vinte anos. Essa tal amiga era casada a muitos anos e desconfiava sempre que o marido a traía. Um dia uma amiga chegou e disse que viu o tal marido beijando uma mulher no meio da rua. Ela ficou furiosa, então de vez de fazer uma "barraco" quando o marido dela chegar, ela bolou um plano. Segui o marido várias vezes. Ficou sabendo a hora e o lugar que o marido dava cada passo. Um dia ela se escondeu na casa da amante dele e esperou ele ir fazer a visita diária dele. Depois dele fazer sexo com a amante foi embora aí ela apareceu, com a arma do próprio marido. Ela nem esperou a "vagabunda" falar nada e deu dois tiro na testa dela e foi pra casa. Quando ela chegou em casa, logo tratou de dá um fim nas luvas e as roupas pretas. Quando o marido chegou ela escondeu a arma no carro. Não demorou muito para a polícia chegar, achar a arma, fazer o teste de DNA com o sêmen encontrado na amante, prendê-lo e condená-lo a belos anos de prisão. Ela fingiu ficar do lado dele para conseguir uma procuração e ficar com todo o dinheiro dele, sem ter que se divorciar.

Elena- Porque você está contando essa história? Quer nós matar?

Lívia- Bem que eu queria.

Alberto- Então porque tá nos ameaçando?

Lívia- Pra vocês me escutar bem quietinhos. Alberto, eu não vou dar o divórcio. Eu nunca vou deixar vocês livre de mim.

Alberto- O que você vai fazer? Vai me amarra no pé da cama? Hahahahaha!

Lívia- Não! Isso eu não irei fazer. Espere, que você saberá. Agora curta esse café da manhã. Ele pode ser o últimos de vocês juntos!

Lívia se levanta, pega a arma e vai embora.

Rebeca abre o olho se senta, olha para Ricardo e coloca as mãos na cabeça.

Rebeca- Não podia ter acontecido.

Ricardo acorda.

Ricardo- Não podia ter acontecido o que?

Rebeca- A gente não podia ter feito sexo.

Ricardo se senta e pega nas mãos de Rebeca, olha nos olhos dela e diz:

Ricardo- Não foi sua culpa! Não foi culpa de ninguém! Aconteceu!

Rebeca- E que eu penso que estou traindo ele.

Ricardo- Ele morreu!

Rebeca- Ainda está vivo, aqui dentro de mim!

Ricardo- Eu sei... ele está também, vivo, aqui dentro de mim. E vai continuar como uma lembrança boa, mas, eu tenho que seguir em frente. Como que você vai continuar em frente sem viver?

Rebeca abaixa sua cabeça.

Ricardo- Agora eu vou chamar o reboque.

Alberto e Elena, estão sentados na mesa onde o café da manhã, que Lívia preparou está. Alberto olha para Elena.

Ricardo- Não se preocupe. Lívia não tem coragem de fazer nada.

Alberto se aproxima dela, a beija e logo em seguida abraçá-la. Elena diz faz a cara de preocupada e revela sua cara com olhar perverso e sorriso malicioso.

Lívia anda pensativa no carro do detetive Elias. Elias preocupado diz:

Elias- Você está bem?

Lívia ver uma uma estradinha cercada de mata e olha para Elias.

Lívia- Entra nessa estradinha.

Elias- Porque?

Lívia- Anda logo!

Ele desvia e entra na mata. Quando eles estão uma certa distância da estrada original, ela manda ele para, ele para e a olha. Lívia sobe em seu colo, se encaixando nas pernas dele. Elias com a respiração ofegante, diz:

Elias- O que você está fazendo?

Lívia- Não finja que não quer.

Elias- Mas eu sou casado.

Lívia abre sua camisa e passa a mão pelo seu peitoral sarado e cala sua boca com um beijo ardente. Tira o cinto dele e abre o zíper da calça dele e geme com o prazer. Elias não resiste e cai a beijar os peitos dela.

Rebeca chega em casa e encontra Vilma sentada, lendo um livro no sofá. Rebeca passa por ela sem dizer nada.

Vilma- Onde você passou a noite?

Rebeca- Não te interessa!

Vilma joga o livro no sofá e se levanta.

Vilma- Se não me interessasse não estava perguntando!

Rebeca- Então vai morre de pergunta que eu nunca te responderei.

Rebeca se vira e sobe as escadas sem falar mais nada. Hugo que desses as escadas e passa por ela.
Au chegar perto de Vilma ele pergunta:

Hugo- Por que Rebeca tá de cara feia?

Vilma- Não sei.

Hugo- Eu vou sair.

Vilma- Tchau!

Hugo sai.

Elena e Alberto, andado pela mata que fica au redor da chácara.

Elena- Você não devia ter ido para casa atrás de sua mulher?

Alberto- E estragar nosso passeio?

Elena- Para onde a gente vai?

Alberto- Eu já vim aqui muitas vezes. E um lugar lindo. Já estamos chegando.

Se ouve um som de cachoeira. E, depois de algumas árvores chegam em um lugar lindo, com uma cachoeira linda que caso e forma um rio de águas cristalinas. Elena, fica maravilhada.

Elena- Que lugar lindo.

Alberto- Como eu disse. Já vim aqui muitas vezes.

Alberto tira a camisa e se joga no rio.

Alberto- Vem Elena.

Elena se joga e au emergir se aproxima dele e o beija.

Lívia, nua, em cima de Elias, olha para ele, se aproxima do ouvido dele e com uma voz sensual, sussurra:

Lívia- Me faz mais um favor?

Elias- Qual!

Hugo espera Vens, sentado na mesma mesa onde encontrou Vens.
Ansioso, diz.

Hugo- Será que ele vem...

De repente ele escuta uma voz de trás dele.

Vens- Me esperando.

Hugo se vira.

Hugo- Vens!

Vens vai até a mesa e puxa a cadeira e senta.

Vens- Como você está?

Hugo- Bem!

Vens- Bem, agora iremos aonde?

Hugo- Será uma surpresa incrível!

Vens- Tomara! Estou animadíssimo!

A noite cai no Rio de Janeiro...

Miguel, anda de carro pelas ruas do setor de Marina. Para em frente a casa dela, olha para o papel que está em sua mão e confirma que ali, na humilde casa e a de Mariana. Ele desse do carro e vai para frente do portão e aperta a campainha. Marina abre o portão. Miguel a olha e fica sem palavras. Ela pergunta:

Marina- Que tal, como estou?

Miguel- Divina! Vamos?

Marina- Vamos!

Eles vão em direção au carro. Miguel abre a porta e lá está um buquê de flores vermelhas. Ele tira as flores do banco e dá a Marina.

Marina- Que flores linda! Obrigada!

Miguel- Você merece.

Ela entra no carro e ele vai até o outro lado e entra também. Miguel, olha para ela, dizendo:

Miguel- Onde você preferi ir? Num restaurante, festa, cinema...

Marina- Cinema... prefiro cinema.

Miguel- Então tá. Vamos au cinema.

Alberto deixa Elena em seu apartamento e vai direto para casa. Chegando em sua casa encontra Rômulo, Lívia, Vilma e Minerva. Todos sentados no sofá. Vilma se levanta e olha furiosa para ele.

Vilma- Você está doído! Como você foi capaz de fazer isso com Lívia?!

Lívia se levanta, quase que sorrindo e o olha. A cara todo cheia de hematomas e feridas.

Alberto- O que?!

A cena congela no seu rosto surpreso...

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Vidas Vazias || Capítulo 11
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Séries de Web | Memória :: Webs Encerradas :: Canceladas :: Vidas Vazias-
Ir para: