InícioWeb SériesWeb NovelasGruposBuscarMembrosFAQGaleriaRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Vidas Vazias || Capítulo 16

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Eduardo Lobo

avatar

Idade : 19
Cidade : Redenção

MensagemAssunto: Vidas Vazias || Capítulo 16   26.07.14 23:13



Vidas Vazias


Magno totalmente encurralado fica calado.

Elena- Não vai pergunta que eu vou pedir?

Magno- Fale logo! O que você quer? Sua... sua... "vagabunda"!

Elena- Me chama de "vagabunda" mais uma vez, que você vai ver o que e bom pra tosse.

Magno se retrai, sentando em sua cadeira.

Elena- Você vai seguir o plano daquela mulher, apenas com uma modificação. De vez de você só tirar a presidência de Rômulo, você vai me ajudar a conseguir a presidência.


Vilma olha assustada para o filho.

Vilma- O que e isso Alberto? Você endoidou?!

Alberto- Você vai agora, lá naquele hospital, tira Rebeca de lá!

Vilma- Não!...

Alberto- Fique sabendo que eu não ficarei quieto. Se você não tirar ela de lá fasso um escândalo.

Vilma- Você não pode fazer isso!

Alberto- Posso!...

Minerva, que está na cozinha, escuta Alberto e Vilma brigando e vai até a sala. Minerva chega na sala e ver os dois brigando.

Minerva- Mas, o que está acontecendo aqui?

Alberto- Está acontecendo e que sua filha internou Rebeca para calar a boca dela!

Minerva- Isso e verdade, Vilma?

Vilma- E claro que não!

Alberto- Por favor me poupe de tanto cinismo! Que saber?... eu vou embora dessa casa!

Vilma- Por favor Alberto me entenda!

Alberto- Não fico nem um minuto nessa casa!

Alberto sobe a escada. Minerva pasma, olha para filha.

Minerva- Não acredito no que você fez!

Alberto entra no quarto de hóspede onde Lívia está. Lívia está arrumando o cabelo e se espanta quando Alberto entra.

Lívia- O que você está fazendo aqui?

Alberto- Quero o divórcio o mais rápido possível.

Lívia- Só por cima do meu cadáver!

Alberto- Você acha que um divórcio vai me segura?

Lívia- E não está?

Alberto- Não mais. Estou saindo dessa casa e vou pedir o divórcio litigioso.

Lívia- Você não pode ir.

Alberto- E quem vai me impedir? Você? Haha...

Lívia- Você vai me pagar, desgrasado!

Alberto- Quanto?

Lívia- Vou te matar!

Alberto- Não ousaria tanto.

Alberto se vira e vai embora, batendo a porta. Lívia, olha para o espelho e limpa as lágrimas que escorrem dos seus olhos e com a fúria esvaindo dela, diz:

Lívia- Vamos ver se eu não tenho coragem!

Rebeca e levada da cadeira de rodas. O enfermeiro empurra ela até a porta do consultório do médico psiquiatra. Ele abre a porta e leva até a mesa onde o médica a espera. O enfermeiro sai.

Médico- Bom dia Rebeca! Vamos conversa, ok?

Rebeca- Para de ser cínico! Não finja que está preocupado comigo.

Médico- Não estou entendendo sua reação, Rebeca.

Rebeca- Fala a verdade. Quanto você está recebendo dos meus país para dizer que eu sou Louca?

Médico- Eu sou um médico profissional. Não estou recebendo nada.

Rebeca- Para dessa ladainha! Me manda de volta para meu quarto. De qualquer jeito você dizer que eu sou louca.

Médico- Está bem, se assim que deseja.

Elena entra em um restaurante, ela vai em direção a uma mesa onde Arnon, um dos acionistas da empresa. Elena entrega o envelope na mão de Arnon. Arnon pega o envelope e tira uma gorda contida de dinheiro.

Elena- E o suficiente por enquanto?

Arno- É... Depois quero a outra parte do dinheiro.

Elena- Como eu já disse... Você vai ganhar muito mais se ficar do meu lado, mas, claro, se você colaborar para que eu me torna a presidenta da empresa.

Arnon- Isso eu já entendi, não entendi e como eu posso te ajudar a se torna a presidenta da empresa.

Elena se aproxima mais de Arnon e fala baixinho:

Elena- Hoje a noite vai ter uma reunião e nela você me ajudará a me torna a presidenta da empresa.

Arnon- Eu não estou sabendo dessa reunião.

Elena- Logo o Magno te liga para dizer da reunião.

Arnon- Então tá, estarei lá.

Vilma está na varanda de seu quarto, olhando para o jardim, a brisa balança seu cabelo. De repente o som de seu celular acaba com o incômodo silêncio, Vilma vai até ele e atende.

Vilma- Alô, quem fala?

Fernando- Sou eu, Fernando.

Vilma- Já falei para você não me ligar!

Fernando- Eu estou no Rio. Vem me visitar.

Vilma- Não, não e não!

Fernando- Se você não vier até mim eu vou até sua casa te encontra.

Vilma- Está bem. Eu vou. Passa o endereço.

Rômulo, silenciosamente entra no quarto e encontra a mulher na varando, conversando no telefone.

Vilma- Daqui a daqui à pouco estou aí.

Rômulo se aproxima dela, sem ela perceber.

Rômulo- Com quem você vai se encontra?

Lívia desliga o celular e espantada olha para Rômulo.

Lívia- Eu vou me encontra com... Com...

Agora, o celular de Rômulo toca, ele enfia a mão no bolso do paletó e tira o celular e atende.

Rômulo- Alô....

Depois de Rômulo falar com a tal pessoa no outro lado da linha ele desliga e olha para Vilma, que nervosa também o olha.

Rômulo- Era Magno marcando uma reunião urgente, agora. Tchau, estou indo.

Vilma- Tchau...

A noite cai no rio de janeiro...

Miguel e Marina andam pela areia da praia, conversando.

Miguel- Lá em casa as coisas não estão nada bem.

Marina- Família é assim mesmo briga, discute, mas se amam. Lá em casa e só eu e minha mãe e mesmo assim nos discute de vez em quando.

Miguel para e olha em seus olhos.

Miguel- Quero dizer uma coisa.

Marina. Diz.

Miguel- Des da primeira vez que eu vi você eu sentir uma coisa aqui dentro de mim, esse sentimento cresceu ainda mais com a convivência com você.

Marina- Você quer dizer o que?

Miguel- Quero dizer que estou apaixonado por você.

Miguel a beija e ela corresponde dando um abraço durante o beijo.

Todos os acionistas estão reunidos na sala de reunião da empresa Albuquerque. Alberto que esta impaciente se levanta.

Alberto- Faz mais de meia hora que nós esperamos Magno e ele não aparece. Afinal, para que essa reunião?

Rômulo- Calma que ele já deve está chegando.

Magno abre a porta e olha para todos acionistas.

Magno- Desculpe pelo atraso. Mas agora estou aqui e eu irei falar uma coisa seria pra vocês, acionista dessa empresa.

Elena- Então fale logo.

Magno vai até a mesa e se senta.

Magno- Como vocês sabe eu sou empregado e acionista dessa empresa a anos... Eu também sou amigo de Rômulo e com essa amizade ele me fez uma proposta de nós devíamos dinheiro da empresa. Eu aceitei e des do começo de tudo já desviamos mais de milhões de reis da empresa...

Rômulo se levanta e furioso interrompe a confissão de Magno.

Rômulo- Mentira! Nunca fiz nada para desviar um tostão dessa empresa.

Magno- Tenho inúmeras provas que tudo que estou dizendo e verdade. Ele desviou dinheiro da empresa, roubou dinheiro de todos vocês que são acionistas.

Herege- Não pode acreditar numa coisa dessa.

Magno- Essa e a verdade.

Elena- Rômulo tem que se retirado da presidência.

Rômulo- Esta bem eu me retiro da empresa até que aja uma investigação e prove tudo o que está dizendo de mim. Até eu provar a minha inocência. Já que estamos com todos acionistas presente eu sugiro uma votação. Todos estão de acordo?

Ribeiro- Sim.

Herege- Sim.

Elena- Sou totalmente a favor.

Arnon- Sou também a favor.

Magno- Não preciso falar.

Rômulo- Eu começo. Índico o meu filho a presidência. Você concorda filho?

Alberto- Sim pai.

Rômulo- Então meu filho começa com 40% da empresa.

Magno- Quem vai concorre com Alberto?

E seguido por um minuto de silêncio até que Elena fale.

Elena- Eu me candidato a presidência da empresa.

Alberto- O que?!

Elena- Isso mesmo, Alberto. Eu me candidato. E como tenho 35% da empresa sou uma boa concorrente.

Magno- Bem, começaremos os votos. Primeiro eu. Eu com meus 5% volto na... Elena.

Elena- Agora e 40% a 40%.

Ribeiro- O meus 5% vão para Alberto

Alberto- Agora e a 45 a 40%.

Herege- Os meus 4% vão para Elena.

Elena- Agora e você Arnon.

Rômulo da um sorriso, tendo certeza do voto de Arnon.

Arnon- Meu voto vai para Elena.

Rômulo- O que?!

Magno- Os 6% de Arnon vai para Elena, agora ela tem 51% da empresa. Agora Elena e a nova presidenta da empresa.

Alberto olha decepcionado para Elena, se levanta e vai embora.

Rômulo- Alberto volte aqui.

Alberto não responde.

Elena- Como presidente dessa empresa eu quero que você, Rômulo, imediatamente pegue suas coisas e se retire dessa empresa.

Rômulo- Não precisa pedir duas vezes. Eu quero falar uma coisa: você vai me pagar caro, Magno.

Magno- Isso e uma ameaça?

Rômulo- Sim! "Passar bem".

Vilma para o carro em frente, são do carro olha para os lados, vai em direção a casa e bate na porta. A porta que está só encostada, se abre na hora que Vilma bate nela. Vilma entra e ver uma sala simples, com televisão e uma escada que leva para o segundo andar da casa. Ela curiosa, sobe a escada que leva até um quarto. Vilma entra e anda pelo quarto, não ver ninguém, vai até a janela e quando um homem de toalha enrolada na cintura, sai do banheiro.

Fernando- Sabia que você não ia agüentar. Meu amor!

Vilma, assustada olha para Fernando. A cena congela...



Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Vidas Vazias || Capítulo 16
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Séries de Web | Memória :: Webs Encerradas :: Canceladas :: Vidas Vazias-
Ir para: