InícioWeb SériesWeb NovelasGruposBuscarMembrosFAQGaleriaRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 CAPÍTULO Nº 0 DE O INTERNATO - EDIÇÃO ESPECIAL - PONTO DE PARTIDA

Ir em baixo 
AutorMensagem
Vinicius Gabriel
Prata
avatar

Idade : 26
Cidade : Campinas

MensagemAssunto: CAPÍTULO Nº 0 DE O INTERNATO - EDIÇÃO ESPECIAL - PONTO DE PARTIDA   30.10.14 20:47

O internato

Capítulo zero

Ponto de Partida...

Versão Especial: Pré – Estreia


Natal de 2003. O Peru acabara de sair do forno pronto para ir para a mesa, junto com o pavê de chocolate alpino e os vinhos dinamarqueses. Ao fundo, percebia a algazarra dos meninos com o karaokê e depois daquela janelinha atrás da estante, do lado de fora duas crianças brincavam de pega-pega. Os cabelos delas era como de uma boneca de pano, daquelas bem angelicais e ele um mini- Dom Quixote da vida, que com sua bravura, honestidade e coragem deixavam qualquer um em sua companhia, seguro.
Abiel – Te peguei! Dúvido que consiga me alcançar... – E saiu correndo por entre a mata virgem de gramíneas altas.



Cecília – Ah é sabichão? Pois então você se prepara, por que vai perder para uma menina pela primeira vez da sua vida.


Eles saíram correndo por aquele milharal na fazenda e anos se passaram logo estavam entrando no riacho já com quase dez anos ...


Cecília – Peguei você ! – Disse ela, quando tocou ele nadava afobadamente sem camisa.


Abiel – Pois agora, eu que vou pegar a minha lindinha... vem cá...


Com um gesto, ele a encosta em seu corpo, acaricia seu rosto, ela o dele. Fitam-se apaixonadamente e caem num longo beijo cinematográfico.
Depois de o crepúsculo finalizar por entre as imensas colinas verdes que eles correm de mãos dadas e chegam ao alto de um penhasco, onde abraçados na grama, observam a aparição das primeiras estrelas.



Abiel – Sabe que esse é um dos meus sonhos ?


Cecília – Não entendi!


Abiel – Estar aqui com você, ignorar o que a família pensa sobre nosso namoro, por ser entre primos. Você deu umas das maiores provas de amor que alguém poderia ter acreditar no nosso romance, por que sabe todos nossos sonhos podem se realizar, basta nos esforçamos para isso.


Cecília brinca com o cabelo cacheado dele – A gente vai viver ainda muita história para contar. – Ela o encara nos olhos, um brilho pulsa. – Não é corrompido pela sociedade, como Rousseau fala. Mas às vezes eu paro pensar, por ser tão raro, não torna irreal?


Abiel – Como assim?


Cecília – Será que não estamos idealizando algo ? E logo esse sentimento vai virar uma necessidade que vai transformar numa carência – Eu tenho muito medo disso! – Disse ao se levantar, das às costas para ele, parecendo preocupada.


Abiel – A gente não pode ansiar pelo amanhã. Temos que viver um dia de cada vez, se acontecer não será nossa culpa, mas sim do sórdido destino.


Cecília – Eu tenho medo! Não quero te perder, mas ao mesmo tempo não sei se estou fazendo o máximo para que isso não aconteça. – Ela se afasta mais uma vez e senta na beira do precipício para contemplar as ondas desaguarem furiosamente nas rochas pela alta maré.


Ele senta ao lado dela e abraça pelo ombro.


Abiel – Você está deixando se perturbar pelas próprias incertezas da vida. A vida não é feita de resposta, mas sim de perguntas. Se a gente tiver medo de arriscar, a gente nunca evoluirá.



Cecília limpa suas lágrimas e beija levemente.


Cecília – Veja a ursa maior e a ursa menor. – Aponta para a constelação


Abiel – Sim, ela é linda. Sabe isso me fez lembrar-se de um assunto que eu queria falar com você. Gostaria de ter uma família?


Cecília –  Mas eu tenho uma família !


Abiel – Eu não digo dos nossos pais, mas formar uma nova. Um dos meus sonhos é ter um filho com você.


Cecília – Eu não sei. Eu fico vendo o jeito que meu pai trata minha irmã, não sei se tenho essa responsabilidade ou se um dia eu terei, não podemos simplesmente fazer uma criança, o lado psicológico de um ser humano é muito importante, não quero comprometê-lo, como erroneamente meus pais fazem.


Abiel – Para de perder na razão, caramba Cecília! Nem parece a menina que eu conheço. Para sentimento a gente não precisa pensar, é algo que está além disso. É inocente e puro, sem dose de criticismo, isso só causa preocupação nos homens. Não era nisso que inovamos?


Ela para um instante para analisar, mas acaba desistindo, afinal teoria não funciona muito bem na prática, temos que ser movidos pelo coração também, não somos máquinas para viver apenas cumprindo funções.



Cecília – Você tá certo, meu ID lindo. – E o beija.



Abiel – E você é minha superego, minha consciência perfeccionista, mas que para a maioria das coisas tem razão , hehe – E a massageia na nuca, ela fecha os olhos e sente a brisa tocar seus cabelos com naturalidade, estava em estado de êxtase, esbanjando felicidade para todos no mundo.



Contudo, quando chegou mais tarde, a fazenda da família, soube de algo que mudou sua vida para sempre e separou nossos jovens...


Cecília – Não pode ser!



Abiel estava em lágrimas para concordar, seu pai fora morto por latifundiários da região, pois defendia a reforma agrária e expusera a situação para a mídia.



Cecília olhou para Abiel como se fosse à última vez, naquela estação de trem... Eles se beijaram pelo vidro, antes da Maria Fumaça sair a todo vapor...  Ele mudaria agora para uma nova cidade, que facilitaria o emprego da mãe.



A música Same Mistake de James Blunt começou a tocar...




Chegou a casa e despiu-se a roupa. Encarou por um momento no espelho, suas olheiras borradas pela maquiagem estavam horríveis, mas nada superava o sentimento de abandono que o destino a proporcionara. Ligou a banheira, mas não entrou.



Totalmente nua, ela se entregou a natureza das matas, estava completamente magoada para pensar, por que não dera mais corpo ao sentimento, enquanto ele poderia existir? Por que os seres humanos nunca aproveitam as oportunidades, só dão valor quando elas já se foram? Camuflada na primitividade, pela primeira vez se sentiu como os animais, precisava se despir daquela consciência maldita que agora submergia o remorso da infelicidade.



Chegando a ponto do penhasco, olhou para baixo. Gaivotas pescavam como de costume naquela tarde ensolarada. Não estava ventando, o oxigênio tinha um odor amargo, que a fez caminhar em direção à margem. Viu uma lua no céu, outra no mar. O degrade no horizonte não era mais tão doce como já fora.



No sonho que se perdeu, banhou-se toda de luar, queria subir aos céus, queria descer ao mar. E num desvario seu ali pôs a cantar. Estava perto do céu e longe do mar. E como o anjo pendeu as asas para voar, queria a lua do céu e lua do mar. As asas que deus lhe deu, ruflaram de par em par, sua alma subiu ao céu e seu corpo desceu ao mar.






 CONTINUA...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Wagner Nascha
Gold
avatar

Idade : 21
Cidade : Formosa do Rio Preto

MensagemAssunto: Re: CAPÍTULO Nº 0 DE O INTERNATO - EDIÇÃO ESPECIAL - PONTO DE PARTIDA   30.10.14 23:27

Ótimo capítulo, parabéns Gabriel, já anseio por sua bendita estréia Wink
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://webficção.forumeiros.com
Rodrigomes
Gold
avatar

Idade : 19
Cidade : São Paulo

MensagemAssunto: Re: CAPÍTULO Nº 0 DE O INTERNATO - EDIÇÃO ESPECIAL - PONTO DE PARTIDA   31.10.14 10:21

Se o capítulo especial ja foi de tirar o fôlego... imagina então o de estréia!!! Tá de parabéns amigo. Desejo muito sucesso para ti.

....................................................................................
Rodrigomes
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
João de Oliveira
Gold
avatar

Idade : 16
Cidade : Maringá

MensagemAssunto: Re: CAPÍTULO Nº 0 DE O INTERNATO - EDIÇÃO ESPECIAL - PONTO DE PARTIDA   31.10.14 14:20

:O Abiel separado de Cecília pelo destino, como ele dissera um dia. 
Parabéns pela genialidade, e até segunda, na estréia Smile

....................................................................................
JOÃO de OLIVEIRA
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Vinicius Gabriel
Prata
avatar

Idade : 26
Cidade : Campinas

MensagemAssunto: Re: CAPÍTULO Nº 0 DE O INTERNATO - EDIÇÃO ESPECIAL - PONTO DE PARTIDA   31.10.14 18:21

Gostaria de esclarecer algo, desde o momento que eles vão para o penhasco ver as estrelas...coloquei uma gradação implícita, na verdade passa um tempo de cinco anos aí...ela tem 15 anos. Uma reverência ao querido José de Alencar.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: CAPÍTULO Nº 0 DE O INTERNATO - EDIÇÃO ESPECIAL - PONTO DE PARTIDA   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
CAPÍTULO Nº 0 DE O INTERNATO - EDIÇÃO ESPECIAL - PONTO DE PARTIDA
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Séries de Web | Memória :: Web Séries :: O Internato-
Ir para: