InícioWeb SériesWeb NovelasGruposBuscarMembrosFAQGaleriaRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Palavra de Honra || Capítulo 6

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Alencar Tognon
Autor
Autor


Idade : 22
Cidade : ...

MensagemAssunto: Palavra de Honra || Capítulo 6   12.05.13 21:00

PALAVRA de Honra


CENA 1
Carmélia passava muito mal, e Renée não saia ao lado de sua mãe preocupado ao extremo.
RENÉE: Mamãe fica bem logo, por favor...
CARMÉLIA: -fazendo força ao falar- Renée, você já sabe o que tem que fazer, fazendo isso a mamãe aonde quer que ela esteja ela vai olhar pra você.
Carmélia, fazendo seus últimos esforços, entrega um vídeo em VHS para Renée.
CARMÉLIA: Tome filho, - Renée pega a caixa que fora guardada o VHS- Guarde muito bem, meu filho.
RENÉE: Mas, para que isso, mãe?
CARMÉLIA: Guarde e esqueça-se dele... Você saberá a hora certa de usá-lo... Quando você estiver bem grande e morando lááá no Brasil, onde você sempre sonhou conhecer.
Renée abraça a caixa seguindo as ordens da mãe.
E assim, Carmélia parte em paz.


CENA 2 – continuação da cena anterior -
Tarcísio vai confortar o menino Renée. Era inevitável, Carmélia teria que partir cedo ou tarde, e aquele fruto que deixaria, seria o fruto de uma bela revolução futura.
TARCÍSIO: Ela partiu feliz meu Filho.
RENÉE: -segurando o choro- Eu vou fazer tudo que ela me pediu, papai. Serei o que ela sempre quis!!
Eles não puderam ver, mas Carmélia observava tudo com tremenda alegria.
Logo, o guia espiritual de Carmélia chega:
GUIA ESPIRITUAL: Está na hora de ir, Carmélia. A sua participação aqui na terra, terminou. Pelo menos por enquanto.
CARMÉLIA: Vai dar tudo certo? ... Meu filho vai conseguir?
GUIA ESPIRITUAL: Ele voltou à terra especialmente para isto, Carmélia... E tudo o que é ‘do bem’ sempre da certo de acordo com as leis divinas.
Carmélia se consola com as palavras de seu guia, e assim partem. Carmélia dada por satisfeita, pois realmente teria feito a coisa certa.


CENA 3
Anos se passam.
1975.

Renée, agora como um rapaz bonito e inteligente. Jornalista formado como manda o figurino, estava prestes a sair do Uruguai.
TARCÍSIO: Filho, você tem certeza que quer ir mesmo?
RENÉE: Brasil sempre foi meu objetivo, papai. E é lá que vou conseguir minha meta de vida.
TARCÍSIO: Você ficou muito fissurado no que sua mãe sempre lhe disse/
RENÉE: Papai, está escrito. E eu preciso. – beija a testa de seu pai, que aflito responde-
TARCÍSIO: Cuide-se... O Brasil esta passando por uma séria Ditadura Militar, e não será muito fácil sua estadia por lá.
RENÉE: Eu rapidamente consigo um emprego. O resto eu vou dando um jeito. Pode ficar tranquilo, nada de mal vai acontecer... Pelo menos, comigo!
Os olhos de Renée ferveram. Tarcísio sabia que não podia modificar nada as atitudes do filho, e também não devia, a memória de sua amada era o mais importante.
E assim, Renée pega a estrada longa de terra, a pé onde que por sorte, conseguiria de algum modo chegar a seu destino.


CENA 4
Renée através de caronas, várias milhas andando, dormindo em florestas, finalmente chega ao Brasil. Respira fundo o ar do país que tanto desejou.
RENÉE: -com satisfação- Brasil! Agora somos eu e Você !
Renée sentia uma energia estranha em estar por lá, ao mesmo tempo em que se sentia negativamente, sentia-se positivamente. Era como uma luta de dois sentidos antagônicos.
Caminhando observando cada detalhe, passa por uma das avenidas principais do Rio de Janeiro. E assim, como uma forte pontada em sua cabeça, recorda-se de cenas que nunca viveu... Viu e sentiu toda uma população revoltada contra ele, e logo uma imagem de uma linda mulher com uma faca cravada no peito. Forçou um pouco sua cabeça para tentar recordar do rosto dessa mulher, e assim percebe... Era ela. Belinha Alcântara.
O que fez ter essas visões fora a última frase de Belinha dizendo em sua direção: “A Voz do Povo é a melodia do Sucesso!”, e assim cai ao chão ali mesmo, molhado pela garoa que acaba de se iniciar.


CENA 5
Na mansão de Wulísses Borges, estava Emanuelle, uma menina marcada pela geração revoltosa. Com seu estilo alternativo, mal parecia que estavam vivendo em plena ditadura Militar.
A justificativa pela tal rebeldia da garota, segundo Lívia, era a ausência de seu pai. Wulísses se demonstrara muito afetivo para com sua filha, porém, com o passar do tempo foi se ausentando cada vez mais conforme o comportamento de Emanuelle.
Emanuelle ouvindo em altura máxima o rock da época, onde iniciou uma efervescência do ritmo, foi parada por sua mãe.
LÍVIA: Filha, por favor, os vizinhos não precisam ouvir esse som nessa altura!
EMANUELLE: aff, eu mereço isso? Nessa casa não da pra fazer absolutamente nada!
LÍVIA: Filha, eu só pedi pra você abaixar a música que/
EMANUELLE: Quer saber! Minha vida esta um inferno! –pega sua bolsa- Eu vou sair...
LÍVIA: Você vai aonde? Emanuelle... Volte aqui! Você não pode sair! EMANUELLE!
Emanuelle sai sem dar o mínimo de satisfação, nas noites escuras que o Rio de Janeiro fornecia.


CENA 6
Uma forte chuva na noite fria se estende por toda a capital carioca. Emanuelle passeava nas ruas sem o mínimo de preocupação. As ruas permanentemente estariam vazias. Ditadura Militar havia uma opressão inimaginável. A loucura de Emanuelle pareceria única, a propósito sempre foi única!
Até que uma surpresa! Mais um único indivíduo estava naquele lugar...
Emanuelle jamais perderia a oportunidade de conversar com ele. Se aproximou, daquele jovem que estava deitado de bruços no asfalto da rua, e o cutucou.
EMANUELLE: Moço, moço... Conversa comigo, por favor.
Renée vira-se e da de cara com uma figura ilustre destacada nos jornais que seu pai conseguia trazer do Brasil para o Uruguai onde morava. Era ela, filha do político que sua mãe mais odiou. Emanuelle Borges.
EMANUELLE: Ei... Por que esta me olhando assim? ... Vamos converse comigo... O que um rapaz tão bonito desses esta fazendo sozinho jogado no chão do Rio de Janeiro?
“Você surgiu e caiu como uma Luva, Emanuelle” pensou Renée.



NO PRÓXIMO CAPÍTULO
Emanuelle encontra um grande carinho por Renée. Renée vai trabalhar com Raul no Jornal da Semana. Wulísses se depara com uma notícia no principal jornal carioca que pode acabar com sua reputação. Renée se encontra com Lívia e encontra nela uma paixão antiga sem mesmo conhece-la [nessa vida]

Não perca, o próximo capítulo de Palavra De Honra vai ao ar na próxima sexta as 16horas... Aguardo vocês ;-))
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Palavra de Honra || Capítulo 6
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Séries de Web | Memória :: Webs Encerradas :: Finalizadas :: Palavra de Honra-
Ir para: