InícioWeb SériesWeb NovelasGruposBuscarMembrosFAQGaleriaRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Palavra de Honra || Capítulo 8

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Alencar Tognon
Autor
Autor


Idade : 22
Cidade : ...

MensagemAssunto: Palavra de Honra || Capítulo 8   18.05.13 23:25

Palavra de Honra



CENA 1
Renée não conseguia dormir. Sua vontade era imensa de adentrar aquela mansão e descobrir pistas sobre Wulísses. Porém, poderia ser pego, e como justificaria um homem desconhecido e ilegalmente no Brasil, dentro da casa deles?
Mas, não resistiu. A casa estava escura e não custaria nada andar um pouco por lá.
Adentrou lentamente, e observando por todos os lados, cada detalhe.
Na sala principal observou um imenso quadro cobrindo as paredes brancas de uma das mansões principais de Rio de Janeiro. Uma mulher muito elegante coberta por luxuosas grife de décadas atrás. Quem seria?
WULÍSSES: Esse rosto... Não me é estranho.

Nesse mesmo instante, Lívia aflita com a reação e o comportamento do atual marido, Wulísses, ficou perambulando pela casa no escuro.
E assim, desce as escadas que dava acesso à sala principal.

E, Renée distraído com a imagem do quadro, e Lívia conseguindo enxergar quase nada ao escuro. Ambos se trombam.
O impacto foi mediano, mas capaz de fazê-los desiquilibrar e caírem um em cima do outro. Coração de ambos começa acelerar de uma maneira diferente. Naturalmente, Lívia assustara-se com um estranho na madrugada em sua casa. Pois seus sentimentos momentâneos não eram bem isso, viu nos olhos que se deparou: uma salvação, uma lembrança, uma nostalgia. E, Eis que Renée fica frente a frente com a mulher de sua vida.


CENA 2 – continuação imediata da cena anterior.
Lívia cai em si e o empurra bruscamente.
LÍVIA: SOCORRO!! Quem é você? O que esta fazendo em minha casa?
RENÉE: Acalme-se senhora!
Lívia grita compulsivamente por socorro, sendo assim, não restava outra alternativa à Renée a não ser fugir.
Corre em disparado pelo mesmo lugar que encontrou e sai pelas ruas escuras da capital carioca.


CENA 3
Já livre de perigo, exausto de tanto correr, Renée Lozano, deita-se escondido atrás de um enorme morro de terra. Ofegante começa relembrar do olhar e do delicado rosto de Lívia.
Como é bela.
Embora senhora, Lívia tinha uma energia inexplicável, e algo muito forte atraia Renée à ela.
RENÉE: Eu, com a mesma força de vontade, personalidade e gosto que Hugo Leal... Incrível.


CENA 4
Lívia, após Renée ter saído correndo as pressas, entra em estado de choque. Foi socorrida pelos empregados da mansão, sem ter tido ouvidos de Wulísses que provavelmente nem sequer ouviu seus gritos. Emanuelle desceu as escadas correndo, e logo se certificou que a pessoa que entrou obviamente era Renée Lozano. Mas, manteve-se em sigilo.
Quem seria aquele homem? Aquele olhar não era estranho...
Lívia sentia-se como se uma luz voltasse a se reacender em sua alma. Era a energia de Hugo Leal que estava sentindo.


CENA 5
Amanhece. Renée passa a noite em frente ao jornal que apostava todas as fichas que iria trabalhar.
Quem o atende é Raul.
RAUL: Bom dia. O que o senhor deseja?
RENÉE: Bom dia. Preciso desse emprego, é extremamente importante trabalhar nesse jornal.
RAUL: Mas, senhor... Eu nem te conheço! Como você adentra esse jornal que mal há fins lucrativos para conseguir UM emprego e/
RENÉE: Não importa o quanto vou ganhar... Sei que um jornalista de apoio que vocês tinham acabou fugindo após uma notícia de má fé que fez e.../
Antes que Renée continuasse, Wulísses abre a porta bruscamente do estabelecimento.
WULÍSSES: O que significa isso!? – atacando o jornal do dia passado que trazia um noticiário completo da morte de Belinha e Hugo.
RAUL: - com certo medo- Doutor Wulísses!
WULÍSSES: - o pegando pelo colarinho - Cale a boca, seu imundo! Quantas vezes você já foi notificado que esse tipo de notícia poderia voltar a ser vinculada? Me responda! Quem te autorizou a publicar isso? Quem!!!?
Percebendo o medo de Raul de falar tudo o que sabia, Renée o enfrenta.
RENÉE: Fui eu!
Wulísses larga Raul e com os olhos pegando fogo, questiona.
WULÍSSES: Quem é você pra desafiar uma autoridade?
RENÉE: Você se irritou com uma matéria que retoma todo um acontecimento... O que há, hein? Por que tanto aborrecimento? Há algum envolvimento SEU nessa história toda?
WULÍSSES: - fica encabulado- Não tenho nenhum envolvimento seu asqueroso! Só estou preocupado com a dor do meu povo e de meu colega de trabalho, Sérgio Alcântara.
RENÉE: - desconfiado – Pois é, senhor... Não sei quem o senhor é e/
WULÍSSES: Como você não sabe quem sou eu... Sou WULÍSSES BORGES!
Renée arregala os olhos... Estava frente a frente do seu pior inimigo que desde pequeno ouvia as histórias de sua mãe. Era ele! Maldito.
RENÉE: ... Wulísses Borges... Então é Você.
WULÍSSES: Quem é você rapazinho!?
RENÉE: Sou, Renée, um jornalista que veio quebrar protocolos, e um jornalista que não terá medo de qualquer político que sente-se superior só porque apoiou o grande Getúlio Vargas. Prazer.


NO PRÓXIMO CAPÍTULO
Renée não controla seus sentimentos e vai novamente visitar Lívia. Lívia não consegue esconder os sentimentos que se reascenderam com a chegada de Renée. Emanuelle revela que esta afim de Renée. Wulísses descobre que Renée é filho de Carmélia Lozano e assim manda militares o perseguir.

Amanhã, não perca o próximo Capítulo de Palavra de Honra
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Palavra de Honra || Capítulo 8
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Séries de Web | Memória :: Webs Encerradas :: Finalizadas :: Palavra de Honra-
Ir para: