InícioWeb SériesWeb NovelasGruposBuscarMembrosFAQGaleriaRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 A Dama de Gelo || Capítulo 10

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Yannikson
Moderador
Moderador
avatar

Idade : 23
Cidade : Charqueadas

MensagemAssunto: A Dama de Gelo || Capítulo 10   12.06.13 23:04

No capítulo anterior: "E rapidamente a noite foi se estendendo pela cidade iluminada. E num piscar de olhos lá estava eu, parado em frente ao local de trabalho dela e ainda surpreso com o rumo que eu havia tomado. Era hora de retribuir a companhia que ela me fizera mais cedo...”.

Apertei a campainha do prédio de dois andares. No piso inferior devia ser a recepção e no superior o atendimento exclusivo da Dama de Gelo. Deduzi isto pois as luzes do superior estavam acesas e era nítida uma sombra se deslocando lentamente de um lado para o outro, como se estivesse guardando documentos ou algo do gênero.

Não havia colocado luvas e já estava ficando frio. Escondi os dedos na jaqueta cinza, com o intuito de protegê-los. Não foi o suficiente. Podia observar o vapor quente da minha respiração se expandir pelo ar e repentinamente sumir por entre a noite estrelada. Enfim ela apareceu para abrir a porta e surpreender-se com a minha visita.

- Juan? Esperava todo mundo aparecer por aqui, menos tu. – disse com os olhos brilhando.

- Pois é, não sou tão previsível como muitos pensam.

Ela me olhou com uma cara de “Não acredito que ele vai começar de novo” e eu particularmente gostei. Abraçando o corpo e ainda encolhida, Lisppet logo me convidou para entrar.

- Lá dentro tá bem melhor, entra!

Entrei. Sentei. E sim, me senti muito mais confortável na poltrona verde limão que ela tinha no consultório do que se eu estivesse no sofá de casa. O dali era aconchegante, consolador, parecia querer bem qualquer um que dele se aproximasse. O da minha casa parecia carregado de más recordações e histórias que jamais encontrariam um final feliz. Tomei a iniciativa de explicar a minha presença no local de trabalho de Lisppet.

- Eu não tinha visto a tua ajuda como um benefício meu. Sequer havia reconhecido que era uma ajuda.

Ela puxou sua cadeira vermelha de rodinhas e aproximou-se de mim.

- Eu estou acostumada com casos distintos que logo de cara podem-se ser observados desfechos simples e compactos... Mas... – disse ela tentando ser clara o suficiente - não consegui te ver como mais um caso, tu tens um brilho a mais e a tua existência no mundo me pareceu valer mais a pena do que qualquer outra pessoa que eu possa ter ajudado até hoje. Olha, eu sei que é estranho... – e nesta hora a interrompi. Não precisava mais de justificativas, afinal de contas ela já havia me convencido.

- Eu já estou aqui. – e olhei profundamente para seus belos olhos. – Trouxe um chocolate quente para retribuir o café da manhã com que fui surpreendido hoje.

E alcancei um dos copos quentes pra ela. E um tanto atrapalhado, pude observar um choque entre nossas mãos no momento em que o copo passou de uma mão para outra. Ela tinha um olhar doce, gestos delicados e palavras quentes, suaves. E também possuía as mãos geladas, como se recém tivessem saído de um freezer.

- Deve ter esfriado no caminho. – expliquei claramente a situação do chocolate quente.

- Capaz, está delicioso! – disse ela dando alguns goles da bebida.

Sentada em sua cadeira, Lisppet cruzou as pernas. O ar condicionado ligado em uma temperatura agradável fez com que eu tirasse o casaco e ficasse somente com o suéter branco que eu estava usando por baixo. Por instantes fiquei sem jeito pelos intervalos de silêncio que surgiam. Mas era normal, tenho certeza! Eu tentei me matar, ela viu, eu fui pro hospital, ela ajudou, eu fui pra casa e eu a insultei com palavras grosseiras. E até aí achei que nunca mais a veria. E ali estava eu, atrás dela, quase que suplicando silenciosamente a sua ajuda.

Send Me All Your Angels - Me Envie Todos Os Seus Anjos

Everyday, gotta face the fact that
(“Todo dia, tenho que enfrentar o fato que”)
I'm trying to reach the demons on my back
(“Eu estou tentando alcançar os demônios em minhas costas”)
and I'm hoping to hold on
(“E eu espero aguentar firme”)
Don't wanna make friend tonight
(“Não quero fazer amigo esta noite”)
with the faces, with the faces
(“Com os rostos, com os rostos”)
Not this time
(“Não desta vez”)
When will all this end?
(“Quando tudo isso vai acabar?”)
Just give me a sign
(“Apenas me dê um sinal”)

- Desculpa pelas minhas palavras hoje mais cedo.

- Tudo bem. – ela respondeu com tom dócil. – Eu entendo completamente a tua situação! Como é que tu está? Melhor?

- Eu estou bem... Aos poucos vou me recuperando, mas ainda é recente, volta e meia me flagro pensando no passado, remoendo as más recordações e as coisas tristes que passei.


Atenciosa, Lisppet parecia me entender completamente.

- É só uma fase, tu vai ver que vai passar. Tu só não podes se abater facilmente, se deixar derrotar pelos desafios que a vida está te apresentando. Supere-os!

Suas palavras eram bem articuladas e seu olhar convicto. Cara, qual era o meu problema? Eu não gosto de ver ninguém sensibilizado comigo, não gosto de ser simpático e muito menos dar conversa para pessoas desconhecidas! Então porque eu estava ali, porque tão interessado em conhecer alguém, me importando tanto em recomeçar minha vida? De qualquer forma, meus impulsos pareciam ser mais importantes do que o que minha consciência já havia formado. Foda-se!

- Já estou superando.

- Que bom que tu pensas assim. Não vou começar o clássico interrogatório que nós psicólogos fazemos quando conhecemos um paciente. Vou te ter como um amigo hoje, porque está tarde e o intuito não é te assustar e sim te entender. Se tu aceitar é claro.

Apenas consenti com a cabeça, sem entendê-la como de costume.

- Tu tens saído, bebido desde que te separastes da tua mulher?

Enfim ela havia confirmado minhas dúvidas. Ela sabia de tudo.

- Não tenho ânimo pra nada disso. – e baixei a cabeça. – Não sei se sinto falta dela ou se sinto falta da estabilidade de estar com alguém, de saber que tenho alguém.

- Isto é só tu que podes descobrir Juan! Por isso te pergunto se tens te dado a oportunidade de ver pessoas diferentes, de ver o mundo de outra forma.

- Só tenho resmungado e ficado pra trás em tudo. – fui sincero. – A verdade é que eu estou aqui pra ver se minha vida para de ser uma merda tão grande e fedorenta.

Ela começou a rir e em seguida ficou com as bochechas coradas. Meu modo de falar não era o mais sutil já visto, mas vê-la sorrindo fez com que eu pensasse que eu não havia cometido nenhuma atrocidade. Ofereci-lhe um sorriso curto e bebi o resto de chocolate quente que ainda restava no meu copo. O relógio marcava 19h e já havia passado do horário de Lisppet fechar o estabelecimento.

- Eu não vou te atrapalhar mais, pelo menos não por hoje.

- Fiquei muito feliz com a tua visita e espero que volte em seguida.

- Vou aparecer aqui mais cedo, pode ser amanhã?

- Claro, o horário que tu achares melhor.

E da mesma forma que eu havia entrado, me vi saindo por aquela porta de vidro. Lisppet pegou a chave da sua bolsa e chaveou o local e em seguida se dispôs a ajudar. Mais uma vez.

- Quer uma carona?

Eu podia estar mais tranquilo, menos ranzinza e mais sociável depois daquele dia conturbado. Mas o orgulho, ah, deste eu fazia questão de não abrir mão.

- Prefiro ir a pé. – E quase disse obrigado, mas não disse. Já havia sido vulnerável demais durante o dia.

- Te espero amanhã então! Boa noite! – disse ela caminhando depressa para a sua caminhonete e me dando um “hasta pronto” antes de fechar a porta do carro. 

Não sabia se ela estava me dando mole ou se era o início de uma amizade que estava surgindo, na verdade há tempos eu não observava estes dois itens. Fosse o que for, me fazia bem. E sentindo-me melhor fui direto pra casa, com o olhar altivo e os pensamentos nobres.

Send me all your angels tonight
(“Me envie todos os seus anjos esta noite”)
I'm barely hanging on the edge of lonely
(“Eu apenas estou esperando na margem da solidão”)
Trying to turn this all around before I
(“Tentando virar tudo isso ao contrário antes que eu”)
Hit the ground and end up faced down
(“Atinja o chão e acabe com o rosto abaixado”)
Send me all your angels, now
(“Me envie todos os seus anjos esta noite”)
 
Send me all your angels, now 
("Me envie todos os seus anjos agora")
Better days are sure to come 
("Dias melhores tenho certeza que estão por vir")
I don't wanna come undone 
 ("Eu não quero ficar destruído")
So show me what I'm living for, yeah  
("Então me mostre por que eu estou vivendo, yeah")

....................................................................................

Yannikson Pereira





Última edição por Yannikson em 15.06.13 14:58, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://yannikson.wordpress.com
Yannikson
Moderador
Moderador
avatar

Idade : 23
Cidade : Charqueadas

MensagemAssunto: Re: A Dama de Gelo || Capítulo 10   12.06.13 23:25

Capítulo atrasado pois esta semana foi bem corrida, mas tá ai o capítulo, postado ainda na quarta-feira. :p Bom resto de semana a todos, até o capítulo de domingo!

....................................................................................

Yannikson Pereira



Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://yannikson.wordpress.com
 
A Dama de Gelo || Capítulo 10
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Séries de Web | Memória :: Webs Encerradas :: Canceladas :: A Dama de Gelo-
Ir para: