InícioWeb SériesWeb NovelasGruposBuscarMembrosFAQGaleriaRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Palavra de Honra || Capítulo 25 Último Capítulo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Alencar Tognon
Autor
Autor


Idade : 22
Cidade : ...

MensagemAssunto: Palavra de Honra || Capítulo 25 Último Capítulo   13.07.13 20:30

 Palavra de Honra
Último Capítulo
 
 
CENA 1
Essas cenas as fizeram recordar de seus últimos momentos na encarnação passada onde Wulísses Borges havia soltado um tiro do qual os dois caem janela a baixo prestes a morrer. Renée e Lívia.
Agora, como uma luz em seus olhos, ficou explícito. Gina era Renée, ou melhor, Hugo. E, Raiane era a mulher que de sua vida, Lívia. A mulher que sempre esteve ao lado de um poder político, mas dessa vez voltara para concertar um erro do passado.
As duas se olharam. Era considerado estranho isso na época dos anos 2000.
Mas, nessa Era, nada mais importava. O que era realmente relevante era o espírito que a embalagem possuía. E as duas estavam ali... Um amor que nunca morreu.
GINA: - suspirando pela bala atingida em seu ombro, olhando profundamente os olhos de Raiane – Lívia! Você...
 
CENA 2 – Continuação imediata da Cena Anterior
Uma lágrima escorre no rosto de cada uma delas. Poderia acontecer qualquer coisa, mas nada poderia impedir aquele momento. As duas se entrelaçam e se entregam em um beijo totalmente apaixonado.
O Mutirão de soldados nem sequer perceberam toda aquela cena das duas apaixonadas. Sua atenção agora era de outros grupos que estavam correndo para que não sejam baleados. Como o mandato de Holiguárquio era fuzilar, o desejo do Supremo teria de sem cumprido.
Karina aproveita a liberdade e as separam, falando:
KARINA: - um pouco aflita olhando para trás com medo dos soldados a pegarem – Temos que sair daqui, depois vocês terão muito tempo para se beijarem e se amarem... Agora precisamos salvar nossas vidas.
Sem dar tempo das duas responderem, Karina pega nas mãos de Gina e Raiane e sai correndo em direção a um quintal de uma casa, pulando sobre os muros para que não sejam pegas.
 
CENA 3
No caminho, Raiane estava incrédula após cair em si sob tudo o que aconteceu. Seu pai autorizara matar a própria filha para que seu poder não fosse derrubado. Mas, em compensação, voltar e reconhecer o amor de sua vida depois de tantas décadas e encarnações fora a maior alegria que já podia ter concebido. Tomara Deus que dessa vez não tire a oportunidade de estarem juntas.
 
CENA 4
Enquanto isso um dos militares se dirige ao local onde supostamente Gina, Karina e Raiane teriam sido assassinadas... E, uma falha fatal acabara de ocorrer. Se roendo de raiva o PM grita para seus colegas:
                MILITAR CHEFE: Onde estão os corpos das líderes dessa movimentação?
                MILITAR 1: Mas, não esta aí?
Ao olhar o militar choca-se.
MILITAR CHEFE: Vocês são um bando de imbecis mesmo... Olha o que acabaram de cometer! ... E agora, me digam... Como vou comunicar O Supremo que elas escaparam?
                MILITAR: ELE VAI NOS FRITAR VIVO SE VOCÊ DISSER!
MILITAR CHEFE: E nem sei o que ele pode fazer se descobrir que o enganamos... Vou ligar para ele... E vocês tratem de se separarem em grupos e encontrar essas desgraçadas o quanto antes! Pois sem elas, as movimentações param! Temos que cortar o mal pela raiz.
Sem resmungar, os soldados se separam cada um para um canto em busca das “Três Mosqueteiras” como era taxada por muitos por aí. Enquanto isso o Militar chefe saca o telefone e respira fundo antes que a ligação fosse completada... Ouviria uma pancada de xingamentos, e o pior, do Supremo.
 
CENA 5
Do outro lado, O Supremo – Holiguárquio – deitado sobre uma banheira de hidromassagem rodeada por mulheres da vida, recebe a ligação. Antes disso, estava convencido que o mal de toda essa repercussão que queriam afetar seu poder, ou seja, Gina, Karina e sua filha, estavam mortas a essa altura.
O telefone tocou. E ele convencido dirige as palavras para uma das garotas ao seu lado.
HOLIGUÁRQUIO: Quer ver? Os militares comunicando que a operação foi realizada com sucesso! – pequena risada de orgulho.
O choque que ouviu do outro lado da linha foi tamanho, que o fez sair da banheira, incrédulo e com uma raiva descomunal.
MILITAR CHEFE: - com voz meio acanhada - Uma boa notícia é que a operação botou medo em todos os brasileiros manifestantes... E a outra má é que, infelizmente, as três mosqueteiras conseguiram fugir.
HOLIGUÁRQUIO: O quê!? EU NÃO POSSO ACREDITAR NISSO, SEUS INCOMPETENTES!
MILITAR CHEFE: Me desculpe, senhor, mas parece que houve uma força muito maior a favor delas.
                HOLIGUÁRQUIO: ME POLPE DE SUAS DESCULPAS RIDICULAS!
MILITAR CHEFE: Mas, senhor, todos os meus homens estão atrás delas, e não vão parar enquanto não encontra-las.
HOLIGUÁRQUIO: Cancele a busca.
MILITAR CHEFE: Como que é senhor?
HOLIGUÁRQUIO: Sim... Cancelem a busca, estou mandando.
MILITAR CHEFE: Você tem certeza? Temos que encontra-la e executá-las, só assim essas manifestações contra a Ditadura da Nova Era vão se acabar...
HOLIGUÁRQUIO: Ninguém precisa dizer o que é preciso ou não fazer, e eu estou MANDANDO QUE CANCELE AS BUSCAS!!!
O Militar do outro lado da linha abaixa os olhos e desliga o telefone após concordar com O Supremo: “Sim, senhor”. Assim, sozinho, após alguns segundos, pensativo, fala a si mesmo.
MILITAR CHEFE: Não sei que bicho te mordeu, Holiguárquio, e nem o que esta querendo com isso, mas não vou cancelar busca nenhuma...  Se não é por você, será por mim, eu vou encontra-las e terei o prazer de matar essas ‘revoltadinhas’ do milênio.
 
CENA 6
Após Holiguárquio desligar o telefone ficou alguns instantes pensativo. Até que uma das garotas se aproxima e por curiosidade pergunta o motivo de ele ter cancelado as buscas das três garotas.
GAROTA 1: Holiguárquinho... O que houve? Pensou em coisa melhor ao invés de encontra-las e fuzilá-las.
HOLIGUÁRQUIO: Pelo pouco que conheço minha filha, ela vai planejar algo que mesmo elas sendo exterminadas, o meu governo de qualquer modo caia. A morte delas através do exército e dos militares, eu sinto que possa trazer piores consequências.
GAROTA 1: Que tipos de consequências poderiam dar? Tudo é movido através do senhor, ELAS são a oposição...
HOLIGUÁRQUIO: Você não tem ideia da influência de Raiane de Gina e PRINCIPALMENTE de Karina...
GAROTA 1: Elas são umas zé ruelas... Ninguém as conhecem, a não ser Raiane, mas a mídia a mando do senhor já se providenciou em taxa-la como a filinha rebelde do Supremo.
HOLIGUÁRQUIO: Caiu minha ficha agora... O Brasil já entendeu...  Karina é BELINHA ALCÂNTARA e Gina é HUGO LEAL... A influência que a cantora teve na década de 40 foi incrível capaz de ameaçar o governo de Vargas... Mas o destino impediu isso, O PODER impediu isso! ... Mas, ela esta de volta... E mais forte do que Nunca!
A Garota por um momento achou que Holiguárquio estivesse ficando louco... Mas, no fundo fazia sentido, então não conseguiu falar mais nada a não ser passar a mão sobre o ombro do Supremo em forma de consolo.
Mas, Holiguárquio já estava elaborando um terrível plano para as três. E desta vez, era ele mesmo quem ia executá-lo. Eu sei onde elas estão.
 
CENA 7
O Grande monumento que simbolizava o poder da capital brasileira estava com as luzes apagadas. O Congresso Nacional era rodeado de guardas, mas depois de toda aquela manifestação, aquele lugar ficou entregue as moscas.
RAIANE: - as pressas guiando as outras duas- Venham! Eu sei de uma entrada pelos fundos...
GINA: Genial! Ele nunca vai imaginar que nos escondemos justo no lugar onde ele planeja suas falcatruas.
                RAIANE: Aqui eles não vão nos pegar.
                KARINA: Vocês tem certeza que não irá passar pela cabeça dele este lugar?
GINA: Ele nem percebeu toda a gravidade da situação ainda... Ele não percebeu totalmente, ainda, que nós somos Nós!
Karina começa refletir sobre os últimos acontecimentos.
                KARINA: - cabisbaixa- Será que não vamos conseguir?
                GINA: Não podemos perder as esperanças.
RAIANE: Meu pai assustou em cheio toda a população... Dificilmente eles irão voltar às ruas para tentar mudar todo esse regime ditador.
Karina tenta conter-se, mas uma lágrima escorre de seu rosto. As três se abraçam de forma que passe uma energia de positivismo.
Elas são interrompidas e surpreendidas com uma voz que sussurrou gravemente pelos fundos.
 
CENA 8 – Continuação imediata da cena anterior
HOLIGUÁRQUIO: Sabia que vocês seriam tão burras de se esconderem neste lugar como vocês foram burras de me desafiar...
As três se viram incrédulas.
                AS TRÊS: Holiguárquio!!
                HOLIGUÁRQUIO: Sou eu... – com sarcasmo seguido de risadas macabras.
Holiguárquio apontava para as três uma arma descomunal, uma das últimas gerações fabricadas para guerrear. A essa altura, o Brasil estava mais preparado do que nunca para guerrear com qualquer país que fosse.
HOLIGUÁRQUIO: E né que vocês escolheram um lugar perfeito para sumirem do mapa, sem restar vestígios, suspeitos e nada mais... A propósito... Isso não faz a menor diferença, porque EU SOU O PODER! EU SOU O SUPREMO!! – após a fala, Holiguárquio atira para o alto para assustar as mulheres a sua frente.
                RAIANE: - Com medo- Pai, por favor, não faça nada...
HOLIGUÁRQUIO: - apontando a arma embaixo do nariz da cuja - Você falando isso, sua traíra... Merece mesmo a morte para aprender!!
GINA: Você sabe Holiguárquio, a morte não é o fim, se isso acontecer a vida de maneira ou de outra vai se encarregar de fazer a gente voltar e resolver tudo isso... Está escrito!
HOLIGUÁRQUIO: - desta vez aponta para o rosto de Gina – Cale sua boca sua estúpida! Eu sei que nós voltamos, O Espiritismo como uma Nova Ciência do Século! ... Mas, não estou nem aí! Vocês não vão ME derrubar... Até vocês voltarem já terei partido e não será mais eu que estará no comando – olha para Raiane, que sempre pediu ao pai para um dia assumir o poder, aponta para ela – Nem Você, minha filinha traidora... O BRASIL sempre SERÁ Ditador!! Nunca o império fascista será derrubado! E não será por causa de três garotinhas ridículas e metidas a revolucionárias que isso vai mudar!
RAIANE: Por que papai? É difícil o senhor aceitar que três MULHERES façam revolução e consiga derrubar um velho ditador guerrilheiro? Uma coisa que você sempre tacou na minha cara por nunca poder sequer se envolver em sua política.
HOLIGUÁRQUIO: Cale sua boca, sua imunda! Mulheres nunca conseguirão ter o poder que os homens de nossa família conseguiram ter!
RAIANE: As mulheres hoje já conseguiram ter espaço! E esse seu pensamento de que pessoas do sexo feminino não conseguem administrar, comandar e muito menos mobilizar é errôneo, pois olha só... – ela abre a cortina que dava acesso à imagem do lado de fora da janela.
KARINA: Não somos nós que faremos revolução, Holiguárquio... Será TODO o povo brasileiro.
Karina desta vez fala com confiança e otimismo, após dissertar suas palavras aponta para a enorme janela que permitia uma vista uniforme de toda a rua em frente ao congresso. E lá estava ela toda banhada de pessoas com cartazes e gritando. O número de pessoas estava cem vezes maior. Se pudesse duvidar era o Brasil inteiro! Uma multidão de pessoas pedindo pelo o governo ditador se desfazer, principalmente o de Holiguárquio.
Holiguárquio observa pela janela tudo aquilo, incrédulo.
                HOLIGUÁRQUIO: Não é possível...
KARINA: - com sarcasmo – Pois é, Holiguárquio... Não vai ser nos matando que vai nos impedir... Você tem o Brasil inteiro para enfrentar!
Holiguárquio começa a se debater de revolta. Alguns tiros contra sua vontade foram disparados.
                GINA: Não adianta, você terá que renunciar.
HOLIGUÁRQUIO: - estava vermelho de tamanho nervosismo - Malditos! Malditos Sangue Podres! O Brasil sempre foi cego, Acomodado, e agora querendo mudanças!
RAIANE: O Gigante acordou!
GINA: Eu já ouvi essa frase em 2013 – pequeno riso.
RAIANE: Mas o Governo fascista naquele ano conseguiu ludibriar novamente o povo brasileiro, mas dessa vez será MUDANÇA na Certa! O Brasil será como nunca ninguém pensou... A Força agora é muito maior!
KARINA: - respirando fundo. Emocionada, olhando toda aquela multidão reivindicando justiça –
“A Voz do Povo é a Melodia do Sucesso”
 
CENA 9
Lá fora, uma jornalista toda desengonçada sorriu abertamente ao ver toda aquela multidão aumentar cada vez mais. Outro jornalista chega a seu lado e fala ao perceber a euforia de Luciana.
JORNALISTA: Você conseguiu Luciana. Percebeu toda a opressão, não perdeu tempo, fotografou, filmou e acabou que conseguiu divulgar sem a mídia ditadora te oprimir.
                LUCIANA: Mas nunca imaginava que daria tanta gente.
JORNALISTA: As pessoas perceberam tudo o que estava acontecendo. Agora as mudanças irão acontecer!
LUCIANA: Vão sim. – Diz ela olhando para cima em direção àquela janela onde Gina olhava fixamente a própria. Uma piscadela de Luciana surge.
O Destino se cumpriu. Todos os personagens da envolvente história ditatorial estavam reunidos novamente para a Luta definitiva de Salvar o Brasil.
 
CENA 10
Toda aquela multidão, percebendo que Holiguárquio não iria descer, decidem invadir o Congresso sem medo. A essa altura, policiais, militares e nem nada conseguiram deter toda aquela multidão.
                GINA: Se você não vai até o povo, o povo vem até você.
HOLIGUÁRQUIO: - com olhar amedrontado -  Vocês acham que sairão ilesas de tudo isso? NÃO! Não sairão! Se eu perder, vocês também perdem.
Holiguárquio então aponta para as três, e com a arma na altura de seus olhos, consegue reparar que só existe uma bala no gatilho... Sendo assim, não tinha outra escolha.
A única saída era renunciar. Holiguárquio lembrou-se da história de Getúlio Vargas. Sem escapatória, preferiu: Suicídio.
Neste momento inúmeras pessoas conseguem arrombar a porta da sala onde eles se encontravam e partiram para cima de Holiguárquio. Uma boa surra ‘O Supremo’ acabara de levar, sem defesa alguma. E a hora chegou... Com um grito excruciante atira em seu próprio peito.
E isso não fez parar todos aqueles revoltados com tamanha indiferença de tantos anos do tal Supremo. Nos últimos segundos de Holiguárquio, Gina, Karina e Raiane – que estava ao choro ao ver toda aquela cena – correram em sua volta, pois parecia que ele se esforçava para dizer algo.
HOLIGUÁRQUIO: - Bruços no chão com seus olhos apontados para Karina – E.eu..eeu..EU Sempre te amei... Belinha Alcântara, rainha do meu povo.
Karina se impressiona com as últimas palavras daquele ditador, e antes que pudesse dizer algo, Holiguárquio parte deixando aquela surpresa aos ouvidos de todos.
KARINA: - repetindo as palavras em reflexão – Eu sempre te amei, rainha do meu povo.?
GINA: - envolvendo seu braço no pescoço de Karina – Belinha Alcântara sempre foi à influência do povo brasileiro, desde a época dos anos 40. Amou Getúlio Vargas e foi correspondida, mesmo sem saber. Mas, o orgulho e a cobiça do PODER o fez esquecer o que realmente é mais importante na vida humana.
Karina cai aos choros. Gina continua.
GINA: Eu sei que uma vida perfeita e de eternas felicidades entre vocês foi desfeita por causa dessa maldita ditadura e Poder absoluto que nos cerca há décadas... Mas, essa cobiça aconteceu com todos os presidentes que passaram por nossa história, e isso está prestes a mudar com o fim da Ditadura da Nova Era.
Assim, todos começam a ficar eufóricos. A sala estava totalmente apertada e Raiane, não poderia perder a chance de gritar como no grito parecido com o da independência do Brasil.
                RAIANE: Nós brasileiros, declaramos o Fim da Ditadura da Nova Era!!!
Todos começam a festejar e se alegrar por essa conquista que marcaria a História.
 
TEMPOS DEPOIS.
 
CENA 11
Passeatas nas ruas inundando todo o país. Época de eleição. Raiane candidata Presidenta. Brasil voltara a se tornar presidencialista eleitoral, mas desta vez, democrática verdadeiramente.
Candidatos viveriam em suas profissões normalmente, o governo seria responsável pela distribuição de bens sem receber fins lucrativos.
Era fato, o Brasil estaria rumo a uma Nação perfeita!
 
As pessoas idolatravam Raiane. Pessoa melhor para comandar essa nova fase do Brasil, não havia. Raiane para Presidenta.
KARINA: - falando para Gina – Pela primeira vez na História teremos uma eleição vencida por unanimidade. – pequeno riso.
                GINA: O meu amor merece.
Como um processo de visão futura, lá estava Raiane assumindo o Congresso e a administração do país. Todos aplaudiam sua vitória e se orgulhavam pelo que o Brasil havia se tornado depois de tantas lutas a um regime que permaneceu durante décadas. Ditadura Fascista.
Raiane começa um pequeno discurso, cheia de emoção.
RAIANE: ---- Não vou falar muito porque não há palavras que precisam ser ditas depois de tantas glórias que conquistamos ao longo dos anos. Cada um de nós fez história que alastra por todo esse gigante... Eu, você, ele, nós, e todos os brasileiros, estaremos sempre entrelaçados em uma conquista de Luta, perseverança, força e ESPERANÇA! ... Esperança, por acreditar que o nosso povo acordaria e conseguisse enxergar que “A Voz do Povo é a Melodia do Sucesso!”, que temos PODER! E que juntos transformaremos essa nação em uma nação mais do que perfeita! Uma nação com todos os direitos iguais a todos, sem restrições... Saúde, transporte, educação, lazer e dignidade 1000! ... Sejamos um País sem preconceito, pois que, para que haja evolução na estrutura da pátria, precisamos que haja evolução nas estruturas humanas de respeito... E por fim, Não precisamos chegar a ser a Maior potência financeira, e sim, a maior potência em que a VIDA e a FELICIDADE valham muito mais do que o dinheiro e o Poder! VIVA O BRASIL! -----
Todos aplaudem emocionados, e lá de cima Raiane dá uma piscadela para Gina e Karina. Era uma alegria de conquista.
 
CENA 12
Raiane e Gina estavam no alto do teto do Congresso observando o nascer do sol. Entrelaçadas, seus olhos brilhavam e mantiveram-se em silêncio durante alguns instantes.
                GINA: Sabe o que eu acho disso tudo?
Raiane esperou Gina responder, em silêncio olhando sua face.
GINA: Acho que tudo isso foi uma prova viva de que o Amor prevalece sobre todas as coisas...
RAIANE: - Respirando fundo – Foi esse sentimento que nos fez continuar sempre... Nem mesmo a morte pode nos parar.
GINA: Um amor não só por duas pessoas, em si, como nós... De fato, um amor pela Pátria, pela nossa nação!
Elas sorriram satisfeitas, ainda deitadas observando aquela bela imagem. Logo, a lembrança de Emanuelle, filha do passado a fizeram questionar sobre.
RAIANE: E Emanuelle, hein? Por onde será que ela está? Será que ela vai se unir com a gente ainda nesta vida?
GINA: Ela deve estar por aí... Foi mais uma entre milhões de brasileiras que buscaram pela glória do Brasil... Na verdade, não faz diferença, Raiane. O Amor que sentimos por nossa pátria equivale a todos por igual... E Talvez seja isso o verdadeiro sentido da vida: Amar a Todos independente das condições.
As duas sorriram... Aquela imensa verdade estava descoberta dos olhos de todos os humanos naquela Nova Era.
Entregues a emoção, as duas se beijam enquanto o sol se espalhava pelo céu iluminando um novo nascer, dando a oportunidade de existir mais um dia cheio de luz na capital brasileira.
Ali ao Lado, a imensa bandeira brasileira se debatia conforme o vento, brilhando suas cores amarelo, azul e verde conforme a luz solar. Nesse instante, a cidade que segundos atrás estava adormecida, foi agitada pelo som agudo do Hino Nacional cantado por inúmeros brasileiros que, com um sentimento inexplicável, que demorou uma eternidade para realmente se concretizar dentro do peito de cada um habitante... Um sentimento por pertencer àquela pátria.
Honra.
 
Fim.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Palavra de Honra || Capítulo 25 Último Capítulo
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Séries de Web | Memória :: Webs Encerradas :: Finalizadas :: Palavra de Honra-
Ir para: